{{selectedLanguage.Name}}
Entre Sair
×

Retrato de uma Dama

Rogier van der Weyden

Retrato de uma Dama

Rogier van der Weyden
  • Data: 1460
  • Estilo: Renascimento nórdico
  • Gênero: portrait
  • Mídia: oil, panel
  • Dimensões: 34 x 25,5 cm
  • Comprar reproduções de pinturas a óleo artesanais
    Ordem
    de reprodução

Retrato de uma Dama é uma pequena pintura a óleo sobre tela, datada de 1460, do pintor flamengo Rogier van der Weyden. A pintura foi elaborada a partir das formas geométricas que formam as linhas do véu da mulher, o seu pescoço, face e braços, e pela projecção da luz que ilumina a sua face e o seu hennin. O contraste entre a escuridão e a luz realça a beleza quase irreal e a elegância gótica do modelo.

Van der Weyden passou a ser visto pelos pintores das gerações seguintes como um artista que conseguia transmitir, de forma profunda, o carácter de uma pessoa. Neste trabalho, a humildade e o comportamento discretos são transmitidos pela sua frágil aparência física, olhos direccionados para baixo e dedos muito juntos. A mulher é magra e retratada de acordo com o ideal gótico de elementos alongados, visualizados nos seus ombros estreitos, no seu cabelo apanhado, testa longa e pelo elaborado toucado. É o único retrato conhecido de uma mulher pintado por Van der Weyden, contudo, o nome da personagem sentada é desconhecido, e o artista não deu uma designação ao seu trabalho.

Embora Van der Weyden não tivesse aderido às convenções do idealismo, de uma forma geral, ele procurou lisonjear as suas personagens sentadas. Pintava os seus modelos com roupas muito elaboradas e faces esculpidas, alguns mesmo alterados da realidade. Ele tinha a sua própria estética, e os quadros das suas mulheres tinham semelhanças entre si.

Esta pintura encontra-se na Galeria Nacional de Arte, em Washington, D.C., desde que foi doada em 1937. Tem sido descrita como "famosa entre todos os retratos de mulheres de todas as escolas".

A mulher, provavelmente em redor dos vinte anos de idade, é retratada a meia altura e um perfil a três-quartos, tendo como fundo um interior bidimensional de cor azul-esverdeado escuro. O fundo é plano e sem detalhes, comum nos trabalhos devocionais de Van der Weyden. Tal como o seu contemporâneo Jan van Eyck (c. 1395 – 1441), ao trabalhar com retratos, ele utilizava fundos escuros e planos fazer sobressair a figura retratada. Só com as pinturas de Hans Memling (c. 1435–1494), um aluno de Van der Weyden, é que um artista flamengo pintou um retrato tendo como fundo um exterior ou uma paisagem. Neste trabalho, o fundo plano permite que o observador se concentre na face da mulher e na sua pose tranquila.

A mulher usa um elegante vestido negro de corte baixo, com mangas de pelo no pescoço e nos pulsos. As suas vestes são do estilo burgúndio, então na moda, que dão ênfase ao ideal gótico de altura e fineza estética. O seu vestido é apertado por uma faixa em vermelho vivo, logo abaixo do seu peito. O hennin de cor de couro está coberto com um grande e transparente véu, que cai sobre os seus ombros, até aos seus braços. A atenção dada por Van der Weyden à estrutura da roupa — o cuidadoso detalhe dado aos ganchos que prendem o véu — é típico deste artista.

Esta é uma parte do artigo da Wikipedia usado sob licença CC-BY-SA. O texto completo do artigo está aqui →


More ...