{{selectedLanguage.Name}}
Entre Sair
×

Dinastia Tang

Movimento Artístico

A Dinastia Tang (chinês: 唐朝; 618-907) foi uma dinastia chinesa fundada pelo oficial Sui Li Yuan, pertencente à dinastia que havia reunificado a China entre 581 e 618, após três séculos de fragmentação.

Costuma-se dizer que com a breve dinastia Sui e com a longa dinastia Tang ficaram soldadas as estruturas da formidável burocracia do Império Chinês. Yang Chien, fundador da dinastia Sui, aplicou uma profunda reforma institucional inspirada em Confúcio, que compilou no código Kaihuang. Fundou bibliotecas e universidades para o funcionalismo, centralizou a administração e simplificou a estrutura local, para homogeneizar o serviço civil e facilitar o controle do governo imperial. O período Tang é considerado a época de ouro da China medieval. Houve grande expansão territorial (Oeste: atual Irã, Leste: Coreia), teve a reconstrução de importantes cidades: Chang´na e Luoyang, teve o fortalecimento do exército. O poder era centralizado e o rei governava por meio de decretos.

O último monarca da Dinastia Sui foi assassinado por seus ministros por causa das guerras com a Coreia, as invasões de nômades turcos no território chinês e os excessivos gastos com luxos no palácio.

A familia Li (李) pertencia a aristocracia militar da Dinastia Sui. As mães, do imperador Yang da Dinastia Sui e a do fundador da Dinastia Tang, eram irmãs, sendo os dois imperadores primos. Li Yuan, antes de se rebelar contra a Dinastia Sui, era duque de Tang e havia sido governador de Taiyuan. Com prestígio e experiência militar, se rebelou, junto com seu filho e sua militante filha, Pingyang (que possuía e comandava suas próprias tropas). Em 617 Li Yuan ocupou Chang'an e se tornou regente do neto do imperador de Sui, relegando o imperador Yang à posição de imperador aposentado.

Com as notícias que o imperador tinha sido aposentado por seu general Yuwen Huaji (f. 619), em 18 de junho de 618, Li Yuan se declarou imperador da nova dinastia, a dinastia Tang.

Estabeleceu seu poder sobre a China com a ajuda de tropas nômades comandadas por seu filho Taizong, ou Tai Tsung, que mais tarde se tornaria o segundo imperador Tang.

Taizong reorganizou o império, aprofundando a reforma Sui num sistema que o Japão, a Coreia e o Vietname imitaram posteriormente. Alargou o ensino de funcionários com escolas provinciais e consolidou um Estado dividido em províncias, vigiadas por censores imperiais, com suas leis compiladas no Código Tang, revisto de 20 em 20 anos. Tsi Tsung impulsionou uma dinâmica política exterior, que causou o aumento do comércio com a Índia, e o resto da Ásia, atraindo mercadores estrangeiros em cujas colônias nasceram os primeiros bancos chineses. Dominou os turcos, estabeleceu um protetorado na bacia do Tarim, enviou monges e artesãos para o Tibete. A unificação da China, iniciada pelos Sui, foi estendida. Os exércitos chineses penetraram na Ásia central, na Coreia e em Anam. Depois dos dois ilustres governantes, tomou o poder uma sucessão de concubinas e favoritos, que destruíram o poder da aristocracia e isolaram os burocratas ilustrados.

Wu, mulher de Kao Tsung, pretendeu divinizar-se como encarnação de Buda, implantando um reinado de terror. Outra imperatriz foi Wei, mulher de dois imperadores.

Esta é uma parte do artigo da Wikipedia usado sob licença CC-BY-SA. O texto completo do artigo está aqui →

Wikipedia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Dinastia_Tang

Mostre mais ... Menos ...