{{selectedLanguage.Name}}
Entre Sair
×

O Juízo Final

Hieronymus Bosch

O Juízo Final

Hieronymus Bosch
  • Data: 1482
  • Estilo: Renascimento nórdico
  • Gênero: pintura religiosa
  • Mídia: oil, panel
  • Dimensões: 163 x 247 cm
  • Ordem
    de reprodução

O Tríptico do Juízo Final é um quadro do pintor holandês Hieronymus Bosch, datável por volta de 1482 ou posterior, executado em óleo sobre tábua. Mede 163,7 centímetros de alto por 242 cm. de largo. Encontra-se na galeria de pinturas da Academia de Belas-Artes de Viena.

Há outro tríptico dedicado também ao Juízo Final realizado por Bosch, um pouco posterior (1506—1508) na Alte Pinakothek de Munique. Este Juízo Final de Viena permanece dentro da tradição. O da Alte Pinakothek constitui o apogeu da visão demoníaca de Bosch.

Como o restante de quadros de Bosch, carece de uma datação unânime entre os especialistas. A análise dendrocronológico data a tábua de 1482 ou posterior.

Vermet identifica este tríptico com a obra encomendada em 1504 por Filipe I de Castela. Em efeito, em 1504, uma entrada do arquivo de Lille fala do pagamento de trinta e seis livras por um Juízo Universal que "Monseigneur ordenara para o seu nobre prazer". Este Monseigneur é Filipe I, marido de Joana I de Castela, de nove pés de alto por onze de largo. Embora não meça 9 x 11 pés, é possível que seja este Juízo Final do Museu de Viena, embora também poderia fazer referência ao de Munique.

Koldeweij descarta que seja o quadro encomendado por Filipe I. Acredita este autor que este tríptico, com o Carro de feno e o Jardim das Delícias, oferecem o desenvolvimento quase completo da história da cristandade, do Paraíso até o inferno, segundo a admonição formulada com tanto vigor na Devotio Moderna, para que os cristãos observassem a vida que levam na terra e tentassem melhorar, com fé e imitando a Cristo.

Num inventário de 1659 aparece na galeria do arquiduque Leopoldo Guilherme da Áustria. No fim do século XVIII foi comprado pelo conde Lamberg-Spritzenstein. Por meio de um legado passou a fazer parte da gemäldegalerie (galeria de pinturas) da Academia de Belas Artes de Viena. Nos séculos XVII e XVIII foi restaurado e repintado, de modo que perdeu bastante cor. Isto levou a que alguns duvidem que seja uma pintura autógrafa de Bosch.

Quando o tríptico está fechado, veem-se as figuras de dois santos: à esquerda, Santiago Maior, com 167,7 centímetros de alto por 60 cm. de largo; à direita, São Bavão.

Estão pintados com grisaille sobre tábua. Embaixo há dois escudos vazios. As figuras estão executadas com firmeza, alheia à vibrante pincelada das grisailles de Bosch, pelo qual se acredita que as executou um copista sobre desenho do pintor.

Santiago é representado como um peregrino por um mundo cheio de maldade, podendo ser observado um grupo de cegos e paralíticos à esquerda; à direita há uma peleja; detrás, um enforcado, que poderia fazer referência a um milagre do santo, segundo A lenda dourada, a qual afirma que ressuscitou um enforcado acusado de um crime que não cometera.

Pela sua vez, São Bavão, protetor da Flandres, é representado como um jovem cavaleiro. No pulso esquerdo tem um falcão. Antes de entrar num convento, Bavão repartiu os seus bens entre os pobres, aqui representados por mendigos e tolhidos; a velha de perfil com uma criança nos ombros aparece num desenho atribuído a Bosch e que se conserva numa coleção particular de São Francisco (Cinotti e Baldass).

Esta é uma parte do artigo da Wikipedia usado sob licença CC-BY-SA. O texto completo do artigo está aqui →


More ...
Propaganda